fbpx

Supermercado online vira tendência, mas veja os erros que você deve evitar

Supermercado online vira tendência, mas veja os erros que você deve evitar

A venda de gêneros alimentícios, itens de higiene e cuidado pessoal online cresceu na pandemia, e veio para ficar

As compras nos supermercados online estão ajudando a preservar vidas. Com as medidas de restrições essenciais para o enfrentamento da pandemia, quem tem o privilégio de não sair de casa nem mesmo para as compras essenciais tem contribuído com a redução dos casos de contaminação pelo vírus.

São vários produtos que o cliente pode adquirir por um preço tão competitivo quanto os oferecidos em supermercados tradicionais a apenas um clique de distância: hortifrúti, carnes frescas, alimentos congelados, mercearia, laticínios, bebidas, limpeza, higiene pessoal e muitos outros. 

Tudo é feito online: o pedido, o pagamento e até mesmo eventuais exigências do cliente. Uma equipe se encarrega de selecionar e embalar os itens e levá-los até o endereço de entrega no prazo combinado. 

Para compreender mais sobre este recente mercado e descobrir como se dar bem ao investir nesse canal de venda, continue a leitura.  

A evolução das compras online nos supermercados

O supermercado online brasileiro não nasceu na pandemia

Um dos principais e pioneiros players deste mercado é a Shopper, que nasceu em 2015, dentro da universidade Insper, em São Paulo. 

Com menos de um ano, a plataforma já via seu crescimento chegar a 50% ao mês, mas foi com a pandemia que atingiu seu auge: entre fevereiro e março do ano passado, o crescimento em sua base de clientes foi de 400​%.

Hoje, são 250 mil cadastrados na plataforma, que opera em 22 cidades do estado de São Paulo, mas pretende atingir 60 municípios até o fim do ano. 

A startup acabou de conquistar um aporte de R$ 120 milhões, o que mostra que as compras de supermercado online são uma forte aposta, mesmo após a retomada da rotina das pessoas. 

Vista do close-up de jovem mulher fazendo compras no supermercado online com seu telefone celular. Todos os gráficos da tela são compostos.

Grandes e pequenos atuam no segmento

Com a pandemia, gigantes do comércio eletrônico, como Magalu, VIA e Mercado Livre, redes supermercadistas do país, como GPA e Carrefour, e serviços de delivery, como Rappi, Ifood e Uber Eats, ampliaram a oferta de itens de mercado em seus portfólios. 

De fato, segundo pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil), as compras de supermercado online saltaram de 9% para 30% nos últimos 12 meses, ficando atrás apenas das compras de delivery de comida. 

Não foram só os grandes players que investiram nas vendas online. Pequenos estabelecimentos, mercados de bairro e redes supermercadistas locais também se digitalizaram. 

Entre as soluções, houve quem optou por investir no lançamento do próprio site ou app e contratar um serviço de entrega. Mas teve também, quem se cadastrou em plataformas já consolidadas, que realizam o delivery. E, ainda, quem preferiu vender pelo WhatsApp, com entregas feitas pelos próprios funcionários. 

Com o impulso que ganhou desde o ano passado, as compras online de itens de mercado vão continuar existindo, seja por necessidade ou comodidade. 

Desafios do supermercado online

Passada a pandemia, o desafio agora será consolidar o serviço e se tornar ainda mais competitivo. 

Para conquistar o cliente, é primordial uma entrega bem feita e pontual. É frustrante pedir um item com entrega prometida a tempo de preparar o almoço e ele chegar para o horário do jantar.

Entre o pedido do cliente e a entrega da compra, várias atividades acontecem: recebimento da demanda, separação dos itens, empacotamento, faturamento e transporte. 

Todos os processos devem ser executados de maneira sincronizada, pois, caso uma dessas etapas possa apresentar alguma falha. Como, por exemplo, o prazo de entrega e a qualidade dos itens podem ser comprometidos, o que certamente afetará a satisfação de quem está comprando. 

A escolha de boas ferramentas, como a plataforma de e-commerce, os sistemas de gestão e o controle de estoque, além de treinamentos para a equipe, auxiliam na integração e assertividade da operação. 

Preferências pessoais dos clientes

Os desafios não param por aí. A qualidade do produto que chega ao lar do cliente é muito importante, mas como o gosto de cada um é muito particular, acertar na seleção do item é extremamente complicado.

A principal dificuldade nesse quesito é nos produtos vendidos a granel, principalmente no setor de FLV. Como enviar a banana ou o alface que o próprio cliente escolheria?! 

Uma espaço para a troca de mensagens entre o personal shopper e o cliente pode ajudar a resolver o impasse. No entanto, o recurso deve ser usado com parcimônia para que as dúvidas não se tornem uma inconveniência ao cliente. 

Embora o setor ainda não seja perfeito, o potencial de desenvolvimento é infinito. 

Uma boa maneira de apostar no rumo certo é confiando na SAX, empresa líder em métricas de experiência do cliente, para avaliar todas as etapas do seu e-commerce. 

Quer materiais gratuitos?

Fique por dentro das
novidades

Assine a nossa newsletter e receba em primeira mão todos os conteúdos e estratégias para o sucesso da sua empresa.

Fique por dentro das novidades
Newsletter

Quer saber mais sobre Métricas de Experiência do Cliente?

Newsletter Newsletter